fbpx

Novidades

Volvo Car Brasil avança entre os híbridos e ocupa mais de 71% entre os modelos plug-in hybrid

Transforme 2021 no ano do autocuidado com dicas de bem-estar do Four Seasons

Porsche mantém sucesso nas vendas no 1° trimestre de 2021

Processo Seletivo da Portland é expandido para todo o Brasil

Península Valdés: voltaram as orcas que encalham de propósito para comer

Land Rover apresenta o Discovery 2021, o SUV familiar versátil, com novo design, mais eficiência e conectividade

Eataly apresenta descontos especiais pós-Páscoa

Emirates reafirma foco no cliente em recentes atualizações de políticas

Estreia mundial online do Audi Q4 e-tron

FIEVER lança sua campanha de inverno21

Audi A6 tem nova versão com premiado motor 2.0 disponível para o mercado brasileiro

Lavvi e Versace Home apresentam parceria no Brasil

Férias com os pets: uma prioridade para os viajantes se divertirem com seus animais de estimação

Votorantim Cimentos aumenta a presença de mulheres na sua Governança Corporativa

Saiba como usar três novos recursos do Galaxy Tab S7 para aprimorar a conectividade e facilitar a rotina

Vivara apresenta nova Coleção Vivara V com Gisele Bündchen

Freixenet sugere drinks com Cavas para o Outono em parceria com o mixologista Alê D’ Agostino

Rede Tierra Hotels lança informativo sobre os pumas, verdadeiras atrações turísticas da Patagônia Chilena

Três rotas do vinho pouco conhecidas na Argentina

Passageiros do Scenic Eclipse poderão assistir a eclipse solar a bordo

36º Panorama da Arte Brasileira terá curadoria de Júlia Rebouças e trabalhará o conceito de “Sertão”

Arquitetura e Design / Destaques / Homepage / Todos / 27/02/2019

MAM anuncia proposta para sua tradicional exposição bienal

No segundo semestre, entre 17/08 e 15/11, o MAM São Paulo realizará, com o patrocínio da Movida aluguel de carros, sua tradicional exposição bienal: o Panorama de Arte Brasileira. Dando início aos preparativos desta edição, o museu anuncia o conceito que norteará o projeto, “Sertão”, e a curadoria de Júlia Rebouças, que desenvolverá mostra com cerca de 20 artistas.

“Para o projeto curatorial do 36º Panorama da Arte Brasileira, tomamos o sertão como termo evocativo, que traz consigo afetos, formas, ideias, ficções. Suas imagens estão presentes em toda a cultura brasileira, ainda que nenhuma delas dê conta de tudo o que pode significar. Se o imaginário de um certo senso comum trata o sertão como vazio e aridez, a ele confrontam-se as acepções de resistência, vitalidade, experimentação, em processos criativos gestados a partir de uma ordem de saberes e práticas que desafia o projeto colonial em suas reiteradas tentativas de submissão. De forma alusiva, sertão refere-se a um só tempo à arte e ao estado da arte”, adianta Júlia Rebouças.

“Apoiar o MAM e a tradicional exposição Panorama da Arte Brasileira, que mostrará o perfil de diversas cidades do território brasileiro, é motivo de satisfação para a Movida. Contribuir com a disseminação da arte e da cultura vai ao encontro do nosso objetivo de proporcionar experiências enriquecedoras aos nossos clientes”, comenta Charles Sperandio, Diretor de Marketing da Movida.

Os artistas e as ideias de sertão

Como ponto de partida, a curadora toma o termo “sertão” para pensar práticas artísticas que não estão associadas a uma região geográfica, mas a processos que entendem a arte como instância de experimentação e resistência. A pesquisa inclui uma investigação por diversas cidades do território brasileiro, que resultará na apresentação de obras inéditas ou comissionadas especialmente para o 36º Panorama, trazendo uma leitura do estado atual da arte no Brasil.

Em viagens por localidades como Cachoeira, no Recôncavo baiano, Recife, Brasília, Florianópolis, São Paulo, ou pelas cidades da região do Cariri cearense, Júlia tem se encontrado com artistas que trazem em comum proposições criativas que apontam para metodologias, temas, formas de engajamento, materialidades outras, que ampliem o repertório estético e social da arte brasileira. Trata-se de uma geração em início ou meio de carreira, cuja produção aponta para territórios especulativos que dão sentido à ideia de sertão, além de artistas maduros com obras que merecem ser revisitadas à luz dos debates propostos na exposição.

“Sertão”, como tema, vem sendo retratado por escritores, artistas e compositores brasileiros há séculos, entre eles: Euclides da Cunha (1866- 1909), Graciliano Ramos (1892-1953), Jorge Amado (1912-2001), Candido Portinari (1903-1962), Tarsila do Amaral (1886-1973) e Luiz Gonzaga (1912-1989). Reconhecendo esse legado, neste Panorama de Arte Brasileira, o público encontrará uma nova visada sobre sertão, que se afasta do folclórico e distingue-se de representações regionalistas. A lista de artistas será divulgada em meados de março, em apresentação do projeto à imprensa.

Júlia Rebouças, curadora. Curadoria da 32a Bienal de São Paulo. Pavilhão Bienal, 10/07/2015. © Sofia Colucci / Fundação Bienal de São Paulo

Sobre a curadora:
Júlia Rebouças (Aracaju, Brasil, 1984) é curadora, pesquisadora e crítica de arte. Foi co-curadora da 32a Bienal de São Paulo, Incerteza Viva (2016). De 2007 a 2015, trabalhou na curadoria do Instituto Inhotim, Minas Gerais. Colaborou com a Associação Cultural Videobrasil, integrando a comissão curadora dos 18º e 19º Festivais Internacionais de Arte Contemporânea SESC_Videobrasil, em São Paulo. Foi curadora adjunta da 9ª Bienal do Mercosul, em Porto Alegre, Se o clima for favorável, em 2013. Realiza diversos projetos curatoriais independentes, dentre os quais destacamos a mostra individual de Cildo Meireles no Sesc Pompeia, São Paulo, a acontecer em 2019; a exposição Entrementes, da artista Valeska Soares, na Estação Pinacoteca, São Paulo, de agosto a outubro de 2018, a mostra MitoMotim, no Galpão VB, São Paulo, de abril a julho de 2018 e Zona de instabilidade, com obras da artista Lais Myrrha, na Caixa Cultural Sé, São Paulo, em 2013, e na Caixa Cultural Brasília, em 2014. Integrou o corpo de jurados do concurso que selecionou o projeto arquitetônico e curatorial do Pavilhão do Brasil na Expo Milano 2015, concurso realizado em janeiro de 2014, em Brasília. Escreve textos para catálogos de exposições, livros de artista e colabora com revistas de arte. Graduou-se em Comunicação Social/ Jornalismo pela Universidade Federal de Pernambuco (2006). É mestre e doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal de Minas Gerais, com a tese “Eis a arte: a atuação do crítico, curador e artista Frederico Morais”, defendida em 2017.


Tags:, ,



Elite Magazine
A Revista Elite há 18 anos cria e acompanha as tendências do mercado de luxo.




Post Anterior

Culinária do norte da Itália é destaque no Ca’d’Oro, em São Paulo

Próximo Post

Explore a Antártica em grande estilo





Você também pode gostar de



0 Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais histórias

Culinária do norte da Itália é destaque no Ca’d’Oro, em São Paulo

O restaurante Ca’d’Oro foi um marco na gastronomia paulistana em uma época em que culinária italiana era apenas sinônimo...

27/02/2019