Novidades

Pedro Hering Bell decifra o Guia Michelin Rio de Janeiro & São Paulo 2017

Gastronomia / Homepage / Todos / 22/12/2017

Decodificando o Guia Michelin Rio de Janeiro & São Paulo 2017

Sempre que eu viajo e quero experimentar a melhor gastronomia do meu destino eu pesquiso no Guia Michelin. Trata-se de uma fonte segura e confiável, referência mundial em boa cozinha, e também em hotelaria. Para as melhores experiências gastronômicas no Brasil minha dica é a terceira edição do Guia Michelin Rio de Janeiro & São Paulo, disponível para venda online. A minha foi um presente da Veuve Clicquot Brasil, que anualmente me envia a publicação. Merci Sergio Degese, diretor geral do champagne no Brasil.

Ao longo de mais de 240 anos de história e tradição, a Maison Veuve Clicquot sempre esteve associada a grandes nomes e referencias internacionais do mundo enogastronômico: é a parceira oficial do chef mais estrelado do mundo, o francês Joël Robuchon, e agora, mais uma vez, está presente no Guia Michelin Rio de Janeiro e São Paulo 2017.

O Guia Michelin contém uma seleção elaborada por uma equipe de inspetores profissionais, formados no setor de hotelaria e turismo, com os melhores hotéis e restaurantes das duas capitais. Trata-se de um trabalho minucioso que reconhece os melhores estabelecimentos dentro de cada categoria de conforto e preço.

Todos os restaurantes recomendados servem ótima comida, porém são as famosas estrelas (uma, duas ou três) que diferenciam a excelência das cozinhas.

Ao conceder as estrelas são levados em conta a qualidade e sazonalidade dos ingredientes, os conhecimentos técnicos do chef, a originalidade das receitas e a consistência. Mas se a intenção for comer bem sem gastar muito, o guia Michelin indica também as mesas com a melhor relação qualidade/preço, através do símbolo Bib Gourmand.

Compromissos do Guia Michelin
Em qualquer lugar do mundo o inspetor do guia Michelin respeita exatamente os mesmos critérios para avaliar a qualidade de um restaurante ou de um hotel e aplica as mesmas regras em suas visitas. Se o guia goza hoje de reconhecimento mundial, é graças à constância de seu compromisso para com os leitores. Entre estes compromissos estão a famosa visita anônima, a primeira regra de ouro do Guia. Os inspetores fazem visitas regulares sem se identificar a hotéis e restaurantes, com o intuito de avaliar plenamente o nível dos serviços oferecidos aos clientes. Eles pagam suas contas, podendo depois revelar a sua identidade, para obterem informações adicionais.

Para manter total objetividade, focada exclusivamente no interesse do leitor, a seleção dos estabelecimentos se realiza com completa independência e a inclusão dos estabelecimentos no guia é totalmente gratuita. As decisões são discutidas em colegiados pelos inspetores e o editor chefe, e as distinções mais altas são analisadas à nível internacional.

As distinções de qualidade culinária

Um restaurante com três estrelas Michelin revela uma cozinha excepcional, que vale a viagem e tem a assinatura de um grande chef. Ingredientes excepcionais, pureza e potência dos sabores e composições equilibradas fazem esta cozinha alcançar o patamar de “state-of- art”. Já um restaurante com duas estrelas indica uma cozinha excelente, que vale o desvio no seu roteiro de viagem. Estes estabelecimentos apresentam os melhores ingredientes valorizados pela experiência de um chef talentoso, que assina, com sua equipe, pratos sutis e surpreendentes, às vezes muito originais. Detalhe: a decoração, o serviço e os níveis de conforto não tem nenhuma influência na premiação.

Quem detém uma estrela Michelin oferece uma cozinha requintada, que vale conhecer. Ingredientes de primeira qualidade, execução claramente refinada, sabores marcantes e regularidade na realização dos pratos. Finalizando a última distinção é o Bib Gourmand, com o melhor custo/benefício em pratos que custam menos de R$ 90,00.

Detalhe importante: todas as informações práticas, classificações e distinções são revistas e atualizadas anualmente, para oferecer uma informação confiável. O desejo final do Guia Michelin é ajudar o leitor a realizar suas viagens com prazer e segurança.

Highlights da gastronomia do eixo Rio / São Paulo

Fica em São Paulo o melhor restaurante do Brasil de acordo com o guia. Trata-se do D.O.M., nos Jardins, sob o comando do chef Alex Atala. Apresentando ingredientes regionais antes desprezados, ou desconhecidos dos grandes cozinheiros, como a priprioca, o arroz preto ou o palmito de pupunha, sua cozinha surpreende e maravilha, oferecendo uma verdadeira viagem por sabores, texturas e produtos do Brasil.

Já os restaurantes com uma estrela Michelin em São Paulo são o Dalva e Dito, Esquina Mocotó, Fasano, Huto, Jun Sakamoto, Kan Suke, Kinoshita, Kosushi, Maní, Picchi, Tête à Tête e Tuju. No Rio de Janeiro existem seis restaurantes com uma estrela Michelin, o Eleven Rio, o Laguiole, o Lasai, o Mee, o Olympe e o Oro. Para saber mais o melhor mesmo é comprar o Guia Michelin Rio de Janeiro & São Paulo 2017 que esta à venda nas Livrarias Cultura por R$ 65,00.


Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,



Elite Magazine
A Revista Elite há 18 anos cria e acompanha as tendências do mercado de luxo.




Post Anterior

BMW i3: Por que um carro elétrico?

Próximo Post

D-EDGE: Casa paulista celebra aniversário em Jericoacoara 





Você também pode gostar de



1 Comentário

em 22/12/2017

Ótimas dicas!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mais histórias

BMW i3: Por que um carro elétrico?

Carros elétricos podem ser a solução. Assista ao primeiro episódio da série 'Hora de Mudar', criado pela Alugha, onde são...

20/12/2017